A primeira turma do colégio Anglo – lá se vão 32 anos.

Tive a sorte e o privilégio de fazer parte da história desta escola. Em 1982, comecei o primeiro ano do ensino médio da primeira turma do colégio Anglo. Vinha de uma escola tradicional e ali descobri um mundo novo. Novas responsabilidades, liberdades, amizades e desafios. É verdade que fomos uma turma cobaia, começamos em 30 alunos e terminamos em 18. As vagas dos alunos que saíam depois do primeiro ou do segundo ano não eram preenchidas, pois a ideia era ver como essa “turma cobaia” iria se sair no final do terceiro ano. E acho que nos saímos muito bem!

Nossa relação com a escola era intensa. Passávamos o dia ali dentro, fosse para estudar, fazer aulas de laboratório, redação, ou apenas para estarmos juntos. Professores e funcionários eram nossos amigos, mas nunca perderam a autoridade, e nós nunca perdemos o respeito por eles. A receita pra isso, até hoje não sei, mas eles acertaram o ponto!

Saí do Anglo em 1984 e no ano seguinte comecei a faculdade de Jornalismo da PUC-SP. Não era a mesma coisa. O ambiente, os amigos, os professores…nada chegava perto do que eu tinha no Anglo. Enfim, entendi que jamais aquele ambiente do colégio se repetiria e segui adiante.

Me formei apenas no final de 92, pois fiz uma interrupção de três anos, período em que morei no exterior. Minha primeira experiência profissional foi na assessoria de imprensa da Embraer, onde trabalhei por três anos. Em 1995, iniciei o que considero o período mais importante da minha carreira, na TV Bandeirantes. Ali trabalhei durante 12 anos, passando por todas as atividades: produção, edição, reportagem e apresentação do telejornal. Em 1997, passei a ser editora-chefe e apresentadora. Trabalhei na matriz em São Paulo inúmeras vezes, na edição do Jornal da Band, fiz trabalhos como repórter no exterior, cobri as paraolimpíadas na Grécia e na China, cobri competições na África do Sul,na Holanda e no Brasil. Tive o privilégio de trabalhar com os mestres Carlos Nascimento e Ricardo Boechat. Mediei debates, fiz entrevistas interessantes, passei a noite na porta de presídios em rebelião e um monte de outras experiências. Minha carreira na televisão exigiu sacrifícios, perdi carnavais, natais, passagens de ano, finais de semana e festinhas na escola dos meus filhos. Mas tudo, absolutamente tudo valeu a pena.

Em 2008 decidi mudar os rumos e sair da televisão. Em 2009, fui contratada como diretora de comunicação na Prefeitura de São José dos Campos. Tudo novo de novo. Mais do que fazer assessoria de imprensa, aprendi um pouco sobre administração pública, serviço público, política, tive experiências novas, dificuldades outras e muitas realizações.

Em 2013, mais uma decisão difícil, muito difícil. Deixei minha carreira em pausa para acompanhar meu marido em seu novo desafio profissional. Nos mudamos pra Itália, onde estamos há três anos. Meu filho, também ex-aluno do Anglo, se forma este ano com duplo diploma em engenharia na Escola Politécnica de São Paulo e de Turim ( onde moramos). Minha filha faz universidade de Comunicação em Londres, meu marido trabalha na indústria aeronáutica italiana e eu….bem, eu tento dar suporte a todos eles, escrevo minhas experiências por aqui para um site de São Paulo, reaprendi a cozinhar, cuidar da casa e tento administrar meus sentimentos de jornalista em período sabático. Nada é fácil, nem começar nem parar, mas é bom demais olhar pra trás e ver uma trajetória que me deu satisfação e orgulho.

Quem eu seria se não tivesse passado pelo colégio Anglo, nunca saberei, mas tenho a convicção de que aqueles três anos foram um importante divisor de águas na minha vida…como estudante, profissional e ser humano. O exemplo daqueles jovens professores, que sabiam ser profissionais brilhantes, amigos de baladas e conselheiros nas horas certas, me deu um rumo, um caminho a seguir e uma bela história pra lembrar.